Blog do Buckeridge

O VERDE EM SÃO PAULO I | 28 de janeiro de 2014

Podemos viver melhor em São Paulo?

Um estudo recente (Runfola & Hughes, janeiro de 2014 na revista Land) comparando cidades “verdes” e “cinza” entre 373 cidades americanas, concluiu que as cidades que têm maior foco em iniciativas econômicas são mais cinza enquanto as cidades que têm maior foco em iniciativas de justiça social são mais verdes. Estas últimas, no entanto, são mais raras, perfazendo somente 11% das cidades analisadas pelos autores.  São Paulo tem agido historicamente como uma cidade cinza, mas é possível mudar. Basta a população exigir um redirecionamento das políticas públicas.

Por conta do aniversário de 460 anos da cidade de São Paulo recebi algumas perguntas do repórter Eduardo Geraque, da Folha de São Paulo, questionando alguns pontos chave sobre a situação ambiental da cidade de São Paulo. Numa sequência de três posts publicarei as respostas que dei a ele.

Parques e praças públicas: o setor privado deve interferir?

O setor privado deve sim participar e a ideia de concessões pode ser um caminho. Isto porque o poder público tem grande dificuldade de dar conta de tudo o que precisa ser feito em uma cidade tão grande como São Paulo. O poder público poderia se restringir a fazer a coordenação de todo o processo, sempre ouvindo e mantendo transparência total para os habitantes de cada região. A cidade de São Paulo é um mosaico de situações com características muito diversas e por isto precisa de estudos específicos para cada caso. São Paulo se apresenta como uma grande oportunidade de desenvolver novas ideias e empresas podem ser instaladas e/ou criadas aqui, dando empregos e gerando inovação no setor urbano paulistano. Como São Paulo é uma metrópole única, projetos de sucesso daqui poderiam até se tornar produtos a serem aplicados em outras cidades do mundo. Não creio que seja possível abordar toda a cidade de uma única forma, com um único método. Como cada região tem suas peculiaridades, seria muito mais produtivo darmos concessões a empresas que se dediquem a resolver os problemas de forma diferente, conforme a situação. Um problema, porém, é saber se temos ou não empresas preparadas para assumir isto. Assim, primeiramente teríamos que fazer um bom levantamento. Algumas experiências tiveram grande sucesso na cidade de São Paulo, como a intervenção que foi feita na Av. Braz Leme há alguns anos pela empresa TOTUS. Parte da avenida foi adotada pela empresa e passou de um simples canteiro no meio da rua a um dos lugares mais agradáveis da cidade para caminhar, se exercitar e admirar um jardim bem planejado e bem cuidado. Há vários outros exemplos na cidade que podem ser usados como exemplos para regiões similares. O poder público poderia fazer é um estudo bem completo sobre como grandes cidades em países desenvolvidos lidaram e lidam com o verde urbano (o verde nos parques, praças, ruas etc). Washington, nos EUA, Paris na Europa e Tóquio e Pequim na Ásia são boas opções. Podemos formar parcerias com cidades como estas para ajustar melhor a nossa situação aqui. Empresas estrangeiras poderiam também se interessar pelas concessões e com isto poderíamos aprender muito e adaptar boas experiências do mundo à nossa realidade. Se o poder público quiser levar a frente a questão do verde-urbano, isto deveria ser feito através de algo como um Centro de Estudos, que possa analisar o problema cientificamente e trabalhar em conjunto com empresas, população e cidades parceiras, para aplicar as melhores ideias. São Paulo é a maior metrópole do planeta em região tropical. Não deveríamos ter as soluções mais espetaculares já vistas? Temos que ser ambiciosos e investir. O meu sonho é que os turistas um dia viessem à São Paulo só para ver os projetos mais criativos e interessantes de integração do verde à população já feitos por uma grande metrópole.


1 Comentário »

  1. Boa tarde
    Falo em nome do Instituto Brasileiro de Florestas, estamos procurando por pessoas interessadas em REFLORESTAMENTO, temos disponíveis mudas de árvores nativas, várias espécies da região para plantar na SERRA DA CANTAREIRA em São Paulo disponibilizamos as mudas sem custo, não poderão cortar estas árvores. Esta ação faz parte de um projeto de proteção dos nossos rios.
    Estou pedindo a ajuda de várias pessoas, preciso chegar aos proprietários de imóveis desta área.
    Se tiver alguém para indicar agradeço a sua ajuda!
    Obrigada pela atenção
    Abraço
    Monique Meira
    Instituto Brasileiro de Florestas
    Tel: 55-41-30184551
    http://www.ibflorestas.org.br

    Comentário por Monique Meira — 9 de outubro de 2014 @ 17:28


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: